Crédito imobiliário: o que é e como funciona

O crédito imobiliário é um dos produtos mais requisitados por clientes às instituições financeiras. Eles são de grande importância para um sonho que muitos têm em comum: a compra da casa própria.

Conhecer o financiamento é fundamental para considerar essa opção, verificando todas as suas condições e quais as regras para conseguir a aprovação do crédito imobiliário. Que tal vermos todos esses detalhes agora?

 

Entenda o que é o crédito imobiliário

Em linhas simples, podemos definir crédito imobiliário como um empréstimo fornecido para que uma pessoa compre um imóvel, fazendo um pagamento financiado.

Quem oferece esse produto são os bancos e as instituições financeiras. Estas instituições quitam o imóvel e recebem o pagamento diretamente de quem foi o comprador, dentro do prazo e das condições estipuladas ao contrato, como valores e taxas de juros.

Esse tipo de crédito também pode ser solicitado para a compra de materiais de construção, para quem deseja começar o imóvel do zero em vez de comprá-lo já construído.

É importante ressaltar que essa modalidade é diferente do refinanciamento de imóvel, que consiste em um crédito fornecido sob a condição de que o bem da pessoa fica como garantia do pagamento. São dois tipos de empréstimos totalmente diferentes, mas, por vezes, o nome dos produtos acaba confundindo.

O comprador não pode vender esse imóvel durante o período de pagamento à instituição financeira. Essa é uma forma de garantia da quitação, disposta no contrato firmado entre as partes.

 

Conheça os principais tipos desse financiamento

O crédito imobiliário pode ser feito de diferentes modos, por meio de dois sistemas: o Sistema Financeiro de Habitação (SFH) e o Sistema Financeiro Imobiliário (SFI). Cada um deles tem uma maneira diferente de operação. Conheça os diferentes modelos para entender qual atende melhor à sua realidade.

 

Sistema Financeiro de Habitação

O SFH é o principal sistema de financiamento imobiliário e tem uma grande vantagem, que é a possibilidade do uso do dinheiro do FGTS para a compra da casa, porém limitando o valor gasto no imóvel. Em contrapartida, oferece as menores taxas de juros da modalidade.

Ele cobre financiamentos apenas em que o valor máximo do imóvel chegue a R$ 750 mil, em Minas Gerais, Distrito Federal, São Paulo e Rio de Janeiro, e nos outros estados esse limite é reduzido para R$ 650 mil. A avaliação é feita por corretores da instituição financeira.

Outro detalhe importante sobre os valores é que a instituição financeira só pode financiar 90% do total do imóvel e que cada parcela só pode comprometer 30% da renda mensal de quem está adquirindo o imóvel.

 

Sistema Financeiro Imobiliário

O SFI cuida dos financiamentos que ultrapassam o valor de R$ 750 mil, valor limite do SFH, além de também cobrir alguns tipos de imóveis que não se enquadram nele, como por exemplo construções para fins comerciais.

Diferentemente do SFH, nessa modalidade não há restrições em relação ao percentual de renda do comprador que ficará comprometido com as parcelas, assim como não há valor máximo na hora de avaliar o imóvel. O financiamento pode ser de 80% até 90% do valor do imóvel.

Por trabalhar com valores maiores e com regras menos restritivas, no SFI a taxa de juros do financiamento acaba sendo mais alta. Em comum, os dois sistemas têm o limite de quitação de 35 anos (420 meses).

 

Saiba como é o processo de financiamento

Sabendo dos detalhes sobre como é o financiamento imobiliário em si e tudo que o envolve as condições de pagamento, modalidades e taxas, agora é importante conhecer como é o processo de solicitação.

Há algumas etapas até o momento final de assinatura do contrato para a compra do imóvel. Contudo, para concretizar é necessário que cada um desses momentos seja feito da maneira correta. Veja a seguir como funciona!

 

Simulação do financiamento

A primeira etapa consiste em fazer a simulação do financiamento junto à instituição financeira, a fim de ter uma ideia de quanto seria o custo total, os detalhes da compra do imóvel e da forma de pagamento.

Esse primeiro passo é fundamental, já que nele o comprador informa quanto poderia dar de entrada, quais seus vencimentos mensais e outras questões importantes para prosseguir com a solicitação de financiamento.

Essa simulação pode ser feita toda online, com o cliente preenchendo todos os dados solicitados e, assim, podendo se certificar que está dentro dos requisitos mínimos para conseguir contratar o produto, inclusive apresentando uma certidão negativa.

É importante também estar atento à necessidade de ir ao cartório para agilizar algum tipo de documento. Então, é fundamental buscar saber antecipadamente onde encontrar um e conhecer os tipos de cartórios existentes.

O futuro comprador pode fazer essa simulação em diferentes instituições financeiras, de modo que encontre condições mais adequadas de acordo com sua realidade, já que os valores e as taxas de juros variam de uma para outra.

 

Consulta do crédito junto à instituição

Após ter feito as simulações e ter decidido qual instituição oferece as melhores condições, é hora de o comprador ir até uma delas para consultar a possibilidade de crédito e iniciar o processo de solicitação.

O cliente, então, consultará suas possibilidades de acordo com seus vencimentos. Para isso, ele precisa levar comprovantes dos seus ganhos mensais, pois é uma exigência das instituições financeiras.

 

Avaliação do imóvel

Caso a resposta de solicitação de crédito seja positiva, o banco dá o prosseguimento no pedido e parte para a avaliação do imóvel escolhido para o crédito. Sendo assim, a instituição manda um corretor credenciado para fazer isso.

É importante lembrar que o banco tem seus parâmetros e restrições em relação aos imóveis. Com a avaliação positiva, inicia-se o processo de direcionamento para o tipo de financiamento, como por exemplo, se ele será feito por SFH ou SFI.

 

Confecção do contrato de financiamento

Crédito: ok. Imóvel: ok. Agora é a hora de redigir o contrato! Nesse momento, é necessário disponibilizar toda documentação exigida pelo banco e, com ele pronto, ler tudo minuciosamente antes de assinar, tirando todas as dúvidas possíveis.

Com tudo certo e após a assinatura do contrato, o processo de confirmação do financiamento se dará dentro de um período de 30 dias.

Autor: Documentos Jurídicos, blog especializado em conteúdo jurídico e de negócios