Os bairros mais caros e baratos do Rio de Janeiro

1. Oito ou oitenta
zoom_out_map
1/10 (Luis Gustavo Lucena/Stock.Xchng) São Paulo – O Rio de Janeiro é uma cidade de contrastes. E isso é verdade até no mercado imobiliário. Enquanto o metro quadrado mais alto da cidade supera os 12.500 reais, o mais barato não chega nem a 1000 reais – diferença maior que aquela encontrada entre os valores extremos da cidade de São Paulo. A valorização média de 99% desde 2008, de acordo com o índice FipeZap, também supera a dos imóveis da capital paulista. Para especialistas, isso não seria um sinal de bolha, mas sim de uma compensação por anos de defasagem nos preços do mercado imobiliário carioca. Agora, obras de infraestrutura previstas para Copa e Olimpíadas, além do incremento da atividade econômica do estado prometem valorizar ainda mais a Cidade Maravilhosa. Segundo o índice FipeZap, no lado dos metros quadrados mais caros estão os bairros turísticos da Zona Sul, de população de alta renda, terrenos caros e pouco espaço para construir. Na ponta oposta estão bairros das zonas Norte e Oeste, onde ainda predominam casas, principalmente em conjuntos habitacionais. É uma região penalizada por favelização, a violência e um sistema de transportes que ainda tem muito a melhorar.

2. 1. Leblon
zoom_out_map
2/10 (Hmaglione10/Wikimedia Commons) Se o estilo de vida da elite carioca pudesse ser resumido em uma palavra, esta seria Leblon. Imprensado entre o mar, a lagoa e a montanha, o bairro mais caro do Rio – e do Brasil – está rodeado de outros nomes nobres, como Ipanema, Lagoa e Gávea. No já saturado espaço de cerca de dois quilômetros quadrados espremem-se imóveis de alto padrão, uma vida cultural e noturna bastante intensa e lojas de grife que recentemente ganharam uma meca, o Shopping Leblon, inaugurado em 2006. Tudo isso ladeado por uma das praias mais famosas do país e a vista exuberante da orla carioca, que pode ser mais bem apreciada do alto do mirante. A falta de áreas para construir e os raros lançamentos imobiliários continuam elevando os preços dos imóveis no bairro. Só no ano passado, de acordo com dados do Secovi-RJ, os apartamentos de três quartos assistiram a uma alta de mais de 50%. O preço médio do metro quadrado, atualmente, é de 12.512 reais. A região mais valorizada continua sendo o final do Leblon, entre a Praça Antero de Quental e o Morro Dois Irmãos, nos arredores de alguns dos restaurantes mais chiques da cidade, como o Garcia e Rodrigues e o Antiquarius.

3. 2. Ipanema
zoom_out_map
3/10 (Riotur) A irmã mais célebre do Leblon não venceu a corrida de bairro mais caro por um nariz. O metro quadrado em Ipanema custa nada menos que 12.480 reais em média, apenas 32 reais abaixo do primeiro colocado. De acordo com dados do Secovi-RJ, só os imóveis de três quartos sofreram a estrondosa valorização de 72% em 2010. Ipanema sofre do mesmo descompasso entre oferta e demanda que atinge o Leblon. A combinação de imóveis de alto padrão, comércio de luxo e a bela vista da praia ainda atraem compradores de alto poder aquisitivo para o bairro já saturado. Em 2009, o entorno da Praça General Osório, no coração do bairro, também viu seus preços puxados para cima com a instalação de uma estação de metrô e expulsão do tráfico de drogas do Morro do Cantagalo.

4. 3. Lagoa
zoom_out_map
4/10 (VEJA) A vista exuberante da Lagoa Rodrigo de Freitas deu ao bairro que a abraça um metro quadrado com valor médio de 10.010 reais, o terceiro mais alto do Rio. Pobre em comércio de rua, a Lagoa é, no entanto, um centro de lazer, repleto de atrações gastronômicas e esportivas que têm como cenário um dos mais belos cartões-postais do Rio. Próxima de outros bairros nobres da Zona Sul, como Ipanema, Leblon e Jardim Botânico, a região abriga parques, quadras esportivas, rinque de patinação, restaurantes, quiosques e uma extensa ciclovia, tudo com vista para o espelho d’água. Rodeado de verde, o bairro possui ainda uma vasta área de proteção ambiental, além de sediar clubes de alto padrão. Cortada pela Autoestrada Lagoa-Barra, a região também é uma importante ligação entre a Zona Sul e a Zona Oeste da cidade.

5. 5. Leme
zoom_out_map
5/10 (Andréa Farias/Wikimedia Commons) Espremido entre Copacabana, o morro e o mar, o Leme marca presença na lista dos bairros mais caros do Rio, desbancando a sua vizinha Urca e cravando a quinta posição com um metro quadrado no valor médio de 8.572 reais. Quem gosta de praia sabe que para fugir do agito de Copa o melhor caminho é virar à esquerda, em direção à pedra que dá nome ao bairro, o marco de “início” das praias oceânicas do Rio de Janeiro. Com menos de um quilômetro quadrado, o Leme é um bairro residencial de classe alta, bastante tranquilo se comparado ao restante da região. No entanto, beneficia-se da proximidade com o pujante centro comercial e turístico que é Copacabana, além do fácil acesso ao Shopping Rio Sul. As duas únicas favelas do bairro – Babilônia e Chapéu-Mangueira – estão entre as primeiras comunidades pacificadas do Rio de Janeiro, o que contribuiu para aumentar a sensação de segurança na região.

6. 1. Guadalupe
zoom_out_map
6/10 (Creative Commons) O metro quadrado mais barato da cidade custa apenas 815 reais e fica em Guadalupe, bairro operário do subúrbio carioca. Fundado durante o governo de Getúlio Vargas, o lar da Igreja Matriz de Nossa Senhora de Guadalupe foi construído para abrigar conjuntos habitacionais populares, como os quentes iglus da Rua Calama e os prédios que margeiam a Avenida Brasil, uma das mais importantes vias do Rio de Janeiro. Apesar da infraestrutura relativamente boa para a região, o bairro é cercado de favelas e fica distante do Centro. Os índices de violência de Guadalupe e bairros vizinhos são consideráveis, superando até mesmo os números da região onde se localizam os conjuntos de favelas do Alemão e da Penha. Guadalupe possui dois Shopping Centers e o único cinema do Rio de Janeiro que só passa filmes nacionais, o Ponto Cine. O forte do bairro, porém, são as indústrias e depósitos que abriga, como a filial de vendas da Perdigão e a fábrica da Pimaco/BIC. Guadalupe deve ainda se beneficiar de projetos para as Olimpíadas de 2016, como a extensão da Via Light e o corredor de ônibus expresso ao longo da Avenida Brasil.

7. 2. Anchieta
zoom_out_map
7/10 (Creative Commons) Antigo distrito de Nova Iguaçu, Anchieta se desmembrou do município ainda no final do século XIX. Hoje parte da capital fluminense, o bairro que se desenvolveu em torno da estação de trem faz divisa com os bairros de Pavuna e Guadalupe e com a cidade de Nilópolis. O metro quadrado por lá hoje é o segundo mais barato da cidade, custando 844 reais. Além de contabilizar problemas semelhantes aos de Guadalupe – distância do Centro, favelização e violência – o bairro de classe média baixa também conta com poucas opções de lazer e comércio. O IDH no bairro é o mais baixo da lista: 0,788, menor que média nacional, segundo dados de 2000.

8. 3. Pavuna
zoom_out_map
8/10 (Wikimedia Commons) O ponto final da linha 2 do metrô carioca localiza-se no extremo norte do subúrbio do Rio e faz divisa com São João de Meriti, na Baixada Fluminense. Ali, a mancha urbana do município vizinho se confunde com a do bairro carioca, com a integração de seus centros comerciais pela Avenida Pastor Martin Luther King Jr., a antiga Automóvel Clube. Vizinha a Anchieta e Guadalupe, a Pavuna tem o terceiro metro quadrado mais barato do Rio, no valor de 1.084 reais. Desde a década de 70, o bairro abriga conjuntos habitacionais, o que o transformou em uma área estritamente residencial de classe média baixa. A região, no entanto, é habitada desde os tempos coloniais, quando ali se plantava cana-de-açúcar. Além da distância do Centro do Rio, a Pavuna também é prejudicada pela proximidade de bairros pobres e violentos como Acari e Costa Barros, dois dos menores IDHs da cidade.

9. 4. Padre Miguel
zoom_out_map
9/10 (Rodrigo Prado/Creative Commons) Um imóvel no berço da escola de samba Mocidade Independente de Padre Miguel tem o quarto metro quadrado mais barato do Rio, no valor de 1.125 reais. Apesar da distância do Centro da cidade e do transporte precário que atende à Zona Oeste do Rio, Padre Miguel conta com centros de comércio e lazer pujantes, como o Ponto Chic, localizado no próprio bairro, e a área central de Bangu, bairro vizinho. A proximidade com o núcleo olímpico de Deodoro, porém, não garantiu benefícios diretos à localidade. As obras das linhas expressas de ônibus nos arredores não preveem uma integração com a linha de trem que corta os bairros de Bangu, Padre Miguel e Realengo. Além disso, a região ainda conta com altos índices de favelização e criminalidade.

10. 5. Coelho Neto
zoom_out_map
10/10 (Creative Commons) Assim como sua vizinha Pavuna, Coelho Neto conta com uma estação de metrô e faz divisa com os bairros de Costa Barros e Acari, dois dos menores IDHs da cidade. O quinto metro quadrado mais baixo do Rio – no valor de 1.176 reais – também sofre com a favelização do entorno e os altos índices de criminalidade, mas conta com um comércio razoável. Cortado pela Avenida Brasil, o bairro também deve se beneficiar do corredor de ônibus expresso projetado para a via com vistas às Olimpíadas de 2016.